Amando um Paki man .... parte VII

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011





Nos últimos dias e especialmente no dia do ónibus rolava um clima bem estranho entre nós dois. Impossível eu estar feliz e contente com toda aquela situação.
Após fazer minha necessidade, voltamos para o ónibus, esperamos mas tudo ali era terrível, não conseguiria dormir naquele ónibus. Lá dentro tinha crianças que choravam e não paravam quietas. Senti-me num verdadeiro filme de terror, pior do que aquilo só se houvesse um acidente. E graças a Deus, pelo menos não houve nada disso.

As máquinas ainda não tinham chegado para tirar as pedras do caminho bloqueado, e eu já estava louca pra sair dali!!! Vi alguns carros a voltar pra trás, e pedi ao meu amor pra pedir boleia porque eu queria voltar pra vila. Ele sai pra fora e não tenta pedir boleia. Fiquei zangada. Pedi pra ele pedir boleia e ele não pede!! Logo pensei que uma mulher é que tem de fazer tudo nesta vida...mas depois lembrei que em terras paquistanesas isso muda um pouquinho. De qualquer forma, eu saí lá pra fora pra ver o jeito e habilitei-me a pedir boleia. Desta vez foi ele a ficar zangado, aquilo não era coisa pra mulher fazer, muito menos com estranhos que poderiam ser perigosos. Ele aí até tinha razão, mas credo ele não fazia nada!! Ficamos zangados num clima bem ruim. Achei-o fraco, incompetente e inútil, e fiz questão de demonstrar que o achava!! Voltei para dentro do ónibus, e enfardei-me na comida que a irmã dele preparou pra nós.
Passado um tempo, não sei quanto, ele aparece e me diz que encontrou um amigo do tio que nos iria levar de volta até um local, e de lá entraríamos em contacto com os primos para nos ir buscar.
Assim sendo, tiramos nossa bagagem do ónibus, nossas malas grandes e pesadas, fomos até ao tal carro, andamos imenso pra lá chegar. Entrei dentro do carro e estava lá uma mulher de meia idade com um menino nos braços. Ela começa a falar comigo numa lingua local, e eu a dizer que não entendia, mas ela continuava sempre a falar. Então ela pega nos meus braços e faz-me massagem. Não percebi bem aquilo mas foi bom..
Fizeram uma inversão de marcha perigosa naquela caminho estreito, gritei pra ele ter cuidado, não queria morrer no precipício. E fomos até a um local onde de vez em quando tinha rede no celular para chamarmos por socorro e nos virem buscar.
Chamaram os primos e eles vieram a caminho. Enquanto isso fiquei no carro mais a mulher com a criança, e os homens ficaram lá fora. Estava tantooo frio... Ali nas montanhosas é frio a sério, estava quieta perplexa inquieta pra sair dali. Mas esperamos muitooooooo. Não sei dizer o tempo, apenas sei que estava naquele carro pequeno de pernas encolhidas, com frio, sem poder falar com ninguém, de mal com meu amor, farta, esgotada...sem palavras........
Quando finalmente eles chegaram ao fim de não sei quantas horas, agradeci a Deus, porque ia embora dali!!!
Fomos de jipe, eles alugaram um pra nos vir buscar, já que os carros deles não davam para aquelas estradas tão más. Agradeci a Deus também aquele carro discreto e bom no nosso caminho de volta.
Meu amor ficou maldisposto durante a viagem e eu tentei por ele melhor e mais bem disposto. A viagem de volta com os primos durou mais não sei quantas horas.....
Cheguei a casa na vila, fomos dormir, dia seguinte fomos para o aeroporto outra vez e outra vez não houve avião.

Nessa manhã após saber que não tinha voo OUTRA VEZ, fiquei literalmente de cama, tão triste que nem sei explicar. Pois nem por terra nem voando, eu poderia sair dali... Meu pak tentava dizer que isso são coisas que acontecem e 'inshallah' no dia seguinte haveria novo voo. Fiquei ruim e brava que nem uma louca e levantei a voz a ele brigando à frente dos seus pais e primos. Envergonhei-o à frente de toda a gente e não estava a ter noção disso :(((
Pedi muitas desculpas a ele depois do sucedido, ele ficou amuado, mas depois tentou compreender que de fato eu estava chateada, nervosa e triste.
Entretanto eu já tinha alterado a passagem de avião para a semana seguinte...e tive de uma inventar desculpa para atrasar regresso, pois não quis preocupar ninguém.
No outro dia a seguir, acordei às 6h da manhã, como em todos os últimos dias pra ir pro aeroporto, e vejo céu limpo sem nenhuma nuvem. Tornei-me outra!!! Feliz e contente pois com aquele tempo o avião já poderia partir.
E partiu!!! Ao entrar no avião, agradeci por Deus me tirar dali, daquele inferno sem noção.
Cheguei a Islamabad com uma vontade enorme de beijar aquele chão!!! =)







Ai que afliçãooo


Próximo post tem selinho da Lucyyy.. ebaaa



3 comentários:

  1. Andrezaaamir disse...:

    ai eu to adorando essa história da vida real =)
    já to ansiosa para o próximo post.
    Thais eu nao consegui te add no face porque aparece uma lista enormeeeeeeee...entao me add pelo meu link

    http://www.facebook.com/home.php#!/profile.php?id=100000825032999

    bjiimm

  1. thais tudo bem??
    Menina sou meio lerda... leio leio e não entendo...
    essas historias são reais? suas? vc foi para o PAK?
    To adorando ler ... mas estou perdida bju

  1. Thaís - Thatha disse...:

    Oie.. não essa historia não é minha... estou publicando aqui a historia de um amiga.... próxima..

    Não nunca fui ao Pakistan...

    Mas o resto do blog é sobre mim sim... quanto mais para tras você ler mais vai entender... tenho muitas postagens antigas....

    Bj