Mulheres de Kabul Parte 2

sexta-feira, 17 de setembro de 2010


Depois de ler todo o livro é muito claro,  parece que ambas viram o que cada uma escreveu, pois os desejos de melhores condições de vida, as indignações das atuais condições, e a vontade absurda de reconstruir o país são questões que ambas concordam e irão lutar por isso.
Tendo em vista esses meios comuns, dentro de todas elas, vou falar de uma forma geral sobre cada desejo.

O desejo de melhores condições de vida começa desde coisas essenciais à direito de frequentar escolas e universidades, trabalhar, salões de beleza no auge de suas vaidades pessoais, pois mesmo debaixo daquele pano azul elas tinham sua vaidade, nesse período de repressão a unica forma de afrontar o duro regime Taleban era o uso indiscriminado de make-up, tanto que esse costume de muita make-up só se alastrou após sua proibição, ou seja, embaixo da "Burqa" mesmo sendo proibido elas o faziam e corriam altos riscos,  uma das punições pra quem usava esmalte era a perca dos dedos, tanto das mãos quanto dos pés.
Com a proibição de qualquer mulher a trabalhar e estudar, aumentou o numero de mulheres que trabalhavam escondidas, principalmente as professoras que mesmo correndo risco de vida continuaram a ensinar clandestinamente. Visando o fim da repressão e dias melhores para as mulheres afghans.
A grande maioria das mulheres eram viúvas, sendo em boa parte quem arcavam com as despesas da casa, a vida durante os cinco anos do regime não foi nada fácil para elas, pois ao mesmo tempo que viam suas vidas se desgraçarem, tinham que sustentar seus muitos filhos.
Para muitas delas o regime veio para acabar com tudo que tinham construído, muitas professoras, jornalistas, médicas.

Citando uma delas Zargoona era professora em uma escola politécnica

1997 um ano após a implantação do regime Taleban.
"Estava muito ocupada lecionando Física para ver o que acontecia, mas alguns dias depois vim a perceber que esses fundamentalistas tinham vindo para implantar um regime absurdo principalmente contra as mulheres, pois tornaram nossas vidas tão insuportaveis que em muitas vezes penso em me matar, mas tenho que continuar viver para sustentar meu filho, ele é ainda tão pequeno, não pode sobreviver sozinho. Vendi todas posses que conquistei com meu trabalho para comprar comida para nós, agora me resta pouco."

2001 após o fim do Regime Taleban
" Descobri que estou com câncer, estava no Pakistan me tratando, mas o dinheiro acabou. Tenho que dar aulas para poder dar o que comer a Bashir, e dar aulas me cansa, estou com tumores no seios e no pescoço. A três meses atrás fui espancada pelos Talebans por dar aulas escondida a meninas, era paga por uma ONG, mas ela foi embora de Kabul, no entanto fui delatada por um vizinho, então eles vieram e me espancaram. 

Suas indignações variavam de acordo com suas condições de vida antes, durante e depois do regime, pois para algumas que ainda possuíam marido pouca coisa havia mudado dentro de casa, as maiores mudanças foram as púbicas principalmente no direito de ir e vir e de se vestir.
Já para as independentes financeiramente, foram as que mais sofreram, tanto as casadas que trabalhavam, quanto para as viúvas ou solteiras que tinham sua renda.
O Taleban veio tornar a vida das mulheres insuportável fora de suas casas, com condições repressivas, machistas e perversas impondo as mulheres e homens afghans, fugindo totalmente o que prega o Islan e as escrituras do Q'uran sagrado, expondo para todo mundo uma situação absurda de sobrevivência dentro da nação afghan. Com isso no mundo todo hoje há mais de 2 milhões de refugiados.

O que achei muito especial de ler esses depoimentos, foi saber que mesmo passando por todas essas coisas horríveis, muitas delas tinham uma idéia fixa de poder no fim desse período dar início a reconstrução da nação com seus próprios braços, preocupadas com um futuro para seus filhos dentro do país que nasceram, e que sonham em ter de volta com todas as qualidades e perspectivas de antigamente, em que o país estava incluído na rota turística de muitas pessoas no mundo, pelas suas belas montanhas que se encantavam com a Kabul intelectualizada, desenvolvida, culturalmente rica, que foi destruida totalmente e menos de 4 anos, mas esse turista de 40 anos atrás infelizmente já não existe mais, e para sempre essa nação ficará marcada na história mundial de conflitos e guerras.



Afghanistan década de 70

1972- no recém criado bairro de Shar-E-naü, algumas jovens liberadas e emancipadas usavam minissaias apesar das severas críticas da maioria dos afghan que seguem a tradição islâmica.


Maio de 1972. Manifestação no parque central de kabul. Os slogans dizem "Rumo à paz, à democracia e ao progresso social"

E para fechar  um apelo de Latifa

"Às mulheres de todo mundo: por favor ajudem as mulheres afghans.Acabamos de sair a luz após um longo período de escuridão. Por favor não se esqueçam de nós. Aprendam conosco para que nosso sofrimento não se repita jamais"

7 comentários:

  1. Claudia disse...:

    Oi Thaís!!
    Este livro parece muito bom! Tenho que ler :)
    Fez-me lembrar um dos meus livros preferidos: A thousand splendid suns, de Khaled Hosseini..
    Beijinhos

  1. Thaís - Thatha disse...:

    Sim.... esse tbm é um dos meu preferidos.... Afinal tudo que tem há ver com o Afghanistan me interessa né?????? rsrsrssr
    Mas temos que ler sobre com a mente aberta, pois muitas das coisas irão nos magoar e nos indignar, mesmo assim é necessário uma auto analise principalemente de nossa hipócrita sociedade, que sempre critica o desconhecido, mesmo tendo um indíce de violência contra mulher muito maior do que o mesmo em países islâmicos.

  1. Anônimo disse...:

    Oi thais :)
    Nossa quanta coisa interessante existe a respeito do Afeganistao, eu imaginava q esse livro apenas para difamar o Islam ou mostrando os podres nas nações islamicas, como qualquer outro livro Best-seller sensacionalista.
    Infelizmente, eu notei q o Afeganistao é alvo de ocupações e revoluções ao longo dos anos, seja do Taleban, da Uniao Sovietica ou dos USA...
    Muito boa sua postagem, continue nos mostrando suas conclusões a respeito do livro.
    bjos


    Line

  1. Thaís - Thatha disse...:

    Obrigado............. realmente de todos os livros que li sobre o Afghanistan esse, depois de Caravanas é o que melhor retrata o país, pois é feito de relatos reais de mulheres Afghans.... sendo assim sem ofensas ridículas aos costumes ou religião.

    Obrigado mesmo .. BJus

    Sobre o livro esse é o último post... mais esse assunto é extenso demais.. ainda falarei muito sobre isso

  1. Ziza disse...:

    Muito interessante!! Obrigada por nos dares a conhecer um pouco da história do Afeganistão :)

  1. Salam alleikum

    Eu li esse livro e achei forte demais! Nao guentei mtas vezes e chorei...

    Espero que Deus possa um dia abencoa-las.

    gostei mto do seu blog, estou seguindo. im abc


    Cris

  1. Thaís - Thatha disse...:

    Obrigado por seguir....... bjusss