Namoro Intercultural. Refletindo sobre....

terça-feira, 29 de setembro de 2009
Estou muito feliz de saber que não sou a única a se apaixonar por um estrangeiro que está a 18 horas de distância de qualquer contato.
Isso prova uma coisa, a culpa da desvalorização da mulher não é dela, eu ainda acho que tudo o que se fala sobre as mulheres hoje é uma consequência de tantas decepições, traições, enganações de décadas que as mesmas foram submetidas.
A liberdade e o comportamento de muitas eu considero um tipo de defesa contra os homens, só que acabam sempre mal faladas.
Já pensei muito sobre o fato de os homens ocidentais não estarem afim de formar família, casar, ter responsabilidas, eu mesmo não conheço nenhum. As mulheres acabaram tendo que disputar espaço para poder sobreviver, sendo assim perdendo a essência feminina e se comportando de acordo.
Nada justifica o comportamento vulgar de algumas, mas desde que o mundo é mundo sempre houve mulheres assim, em qualquer século.
Estou associando essas evidências a nossa "classe" de namoradas virtuais perdidamente apaixonadas por o tipo de tratamento que recebemos, mostrando que em algum lugar do mundo a mulher ainda é digna de dedicação, amor, carinho, preocupação.
Lógico que nem tudo são flores, pois as relações interculturais amorosas sempre passam por provações, mas isso não é novidade, pois em qualquer relacionamento exitem dificuldades.
Isso é motivo suficiente para explicar o número de brasileiras se correspondendo, namorando e até casando pela maravilhosa internet, agradeço todos os dias por ter sido inventada.
E ainda fico mais surpriendida em saber que um desses lugares é o Oriente Médio, onde a mídia fez questão de manchar mostrando só as coisas ruins, incluindo o tratamento com as mulheres.
Não tem uma pessoa que não se assusta quando eu falo sobre meu namoro com um Afegão, escuto as piores idiotices preconceituosas que foram despertadas mais uma vez por esse veículo de informação ridiculo que temos.
Estou muito feliz, pois quando fiz esse blog foi com a intenção de satirizar a vontade de achar uma pessoa especial, não vou dizer que achei, pois ainda não deu tempo de confirmar, mas contei um pouco a realidade de minha vida e por coincidência de outras pessoas.

Espero que um dia o mundo se livre de qualquer tipo de preconceito, e a idéia de se formar uma família volte a ser cogitada, pois ainda não sabemos como será essa geração que vem por ai, filhos de pais separados, filhos de produções independetes, filhos de mães solteiras, etc. Tenho certeza que uma família unida de pai, mãe e filhos forma muito melhor seus decendentes. Lógico que tudo tem excessões, mais acredito muito na família.
Eu como futura pedagoga fico muito preocupada, pois estamos formando seres egocêntricos, egoístas  que não cogitarão a possibilidade de se formar uma família, que só pensam em um bem estar o seu próprio.

4 comentários:

  1. Karen disse...:

    Opa tudo bom Thaís? muito bacana a maneira que vc fala do seu "principe" pelo visto vc pensa que nem eu, sou apaixonada por um escocês, interessante conhecer uma garota q sente o mesmo que eu..! abraço e felicidade com seu "principe". =)

  1. Thaís disse...:

    Pois é..... mais é tão dificilllllllllllllll

  1. Ana S. disse...:

    Olá Thaís, td bem??
    Bom, achei seu blog num outro e desde então quis lê-lo do ínicio. Estou gostando mto de saber de fato que não tô louca!! rsrs... pois tbém namoro a distância (apesar de não ter começado na internet, hj se matêm atras desta, tbém tel... e até msm pessamento positivo :)). Namoro um árabe q mora em Dubai e estamos namorado a quase um ano.
    Desejo mtas felicidades a vcs, e que se Deus quiser possa se firmar cada vez mais.
    um grande abraço, da nova leitora ;)

  1. Thaís disse...:

    Oie Ana.. obrigado por vositas meu cantinho.... ele é muito especial.... pois conto aqui minhas experiências.....
    Bom saber que vc gostou....... e boas energias são sempre bem vindas... !!!